14/08/2014

Pré-Adolescentes Lição 07 : Minha Pátria para CRISTO

Pré-Adolescentes
Lição 07 :  Minha Pátria para CRISTO
Texto bíblico: Neemias 1.1-3; 2.17
Objetivos:
 Avaliar sua responsabilidade em amar o seu país;
Compreender sua importância na concretização dos planos de Deus para o Brasil.
Versículo visualizado: “Orem pelos reis e por todos os outros que têm autoridade, para que possamos viver uma vida calma e pacifica, com dedicação a Deus e respeito aos outros”. 1Timoteo 2.2
Palavra do dia: AJUDAR

Lição 07 - Minha Pátria para Cristo
Texto Bíblico: Neemias 1.1-3; 2.17

Um professor que ensina com eficiência a Palavra de Deus, com certeza também ensinará à respeito de missões.

O missionário não é enviado ao campo para fazer turismo. Eles são enviados para compartilhar o evangelho de Cristo.

Nós, os servos de Deus somos testemunhas de Cristo; somos embaixadores de Cristo; somos pregadores do Evangelho de Deus e portadores da Mensagem de Deus para a humanidade. A nossa mensagem está contida em um livro, a Bíblia.

O desafio de todo cristão é ser um “missionário”, um “enviado”, comissionado pelo Espírito Santo através da igreja (At 13.4). Devemos ser testemunhas de Cristo. Precisamos proclamar a mensagem revelada do ato redentor de Deus em Cristo Jesus. Isso só ocorrerá se conhecermos a mensagem da Bíblia, e mantivermos uma intimidade com Cristo.

Texto adaptado do livro: Teologia Bíblica de Missões, CAPD

Boa ideia!

Professor promova uma gincana ou um festival com os alunos, com o intuito de levantar uma oferta para a obr

Juniores Lição 07: A igreja sou eu e mais...

Juniores
Lição 07: A igreja sou eu e mais...
Texto Bíblico: Atos 2:42-47.
Objetivo: Explicar a diferença entre igreja universal e local.
Versículo-chave:”Fiquei alegre quando me disseram: Vamos a casa de Deus o Senhor” Salmos 122:1


Lição 07 - A Igreja sou eu e mais...

Texto Bíblico: Atos 2.42-47

CRESCENDO NA GRAÇA E NO CONHECIMENTO

“Ministério e Missão da Igreja"

Como um corpo, um organismo vivo, a Igreja deveria crescer para a maturidade, ‘à medida da estatura completa de Cristo’ (Ef 4.13; cf. vv.14-16). Como ajudar para esse desenvolvimento, Cristo deu alguns dons à sua Igreja, sob a forma de homens que realizariam várias tarefas. Alguns eram apóstolos, e outros eram profetas, evangelistas e pastores-doutores, para equipar os santos para a obra do ministério (Ef 4.11,12). Como os membros da Igreja eram batizados no Espírito Santo, cada um tinha um dom espiritual, ou mais, para edificar os outros na comunidade de crentes (1 Co 12.4-13; Rm 12.3-8; Veja Dons Espirituais). Cada um deveria servir de acordo com sua chamada e com sua habilidade (1 Pe 4.10,11).

A Igreja também deveria crescer no sentido de expansão. Cada crente deveria ser uma testemunha de Cristo por meio do poder do Espírito Santo (At 1.8), levando o evangelho a todas as criaturas, e fazendo discípulos em todas as nações (Mc 16.15; Mt 28.19; veja Comissão, A Grande).

Embora todos os crentes tivessem uma posição igual perante Cristo, o Cabeça, a Igreja organizou-se com a finalidade de assegurar seu funcionamento prático e ordenado aqui na terra. De certo modo, os apóstolos e os profetas eram sua fundação (Ef 2.20), os representantes autorizados por Jesus Cristo para completar a revelação de sua Palavra para seu povo. Nesse sentido básico do apostolado, não poderia haver sucessão dos apóstolos depois daqueles que haviam testemunhado o ministério e a ressurreição do Senhor Jesus (At 1.21,22; veja Apóstolo). Os apóstolos instituíram os diáconos (At 6.1-6) e os anciãos (ou presbíteros; At 14.23; 20.17-38; Fp 1.1; 1 Tm 3.1-7; Tt 1.5-9; 1 Pe 5.1-4; Tg 5.14) para presidir as igrejas locais e dar-lhes a orientação necessária.

Qualquer que fosse a função na qual cada crente servisse, é importante observar que ele era escolhido e então guiado e capacitado pelo Espírito. De uma forma não especificada, o Espírito Santo revelou que Barnabé e Paulo deveriam ser enviados como missionários (At 13.1-3). Da mesma forma, os anciãos de Éfeso foram estabelecidos como líderes da comunidade pelo Espírito (At 20.28). Uma declaração profética acompanhou os dons espirituais conferidos a Timóteo em sua consagração (1 Tm 4.14). Paulo e Silas foram conduzidos a Troâde pelo Espírito (At 16.6-8).

Dessa forma, o principal ministério da Igreja consistia em servir ao seu Senhor (At 13.2a), adorá-lo como sacerdotes por meio do Espírito que habita dentro de cada um (Fp 3.3) e fazer sua vontade na terra, realizando sua obra por meio do poder do seu Espírito (Jo 14.12,16,17). A presença do sobrenatural tem caracterizado a Igreja em todos os momentos.” (Dicionário Wycliffe. CPAD. p-952).

SAIBA MAIS

“ O entusiasmo é contagioso, e não deve ser falso. Quando você é apaixonado pelo seu tema, quando os alunos vêem que você acha isso interessante e importante, você os atrai. Não é necessário ‘vender’ nada, somente transmitir o seu fervor, o seu zelo. Se essas coisas parecem faltar, comece com um sorriso. Esta simples ferramenta faz maravilhosas. E quando você encontrar o humor no seu tema, e nas situações cotidianas, magnetizará o interesse dos seus alunos como ninguém mais poderá fazer.

Como cristão, a sua paixão pela vida deve ser evidente em tudo o que você faz e diz. Afinal, você pertence ao Senhor do universo, e Ele tem planos pessoais e maravilhosos para a sua vida. Aquele Deus que criou os girassóis e as estrelas lhe ama como se você fosse seu próprio filho. É perfeitamente aceitável ficar entusiasmado com isso!

Ensinar significa compartilhar a criação gloriosa de Deus, a história do pó da terra que Ele transformou em homens. Quando você sentir esse poder na sua vida diária, por meio da oração, da Palavra de Deus, do seu Espírito, os outros irão perceber alguma coisa diferente em você. Eles até mesmo poderão perguntar o que é.” (Graça diária para professores. CPAD.p-115).

ATIVIDADES

Construa um mural temático com as crianças a respeito da igreja. Minha sugestão é a seguinte: Reproduza a silhueta do globo terrestre numa folha de papel pardo. Depois desenhe mais ou menos os continentes. Divida as crianças em cinco grupos referentes aos cinco continentes. Elas deverão desenhar uma igreja e escrever o nome do continente. Exemplo: IGREJA DA AMÉRICA DO SUL. Ao final, cada grupo deverá colar a sua igreja no continente correspondente. Quando todos terminarem, enfatize que a igreja de Cristo, que irá morar no céu, é composta dos crentes de todos os continentes. Se possível, encerre este momento com um cântico bastante animado.


Primários - Lição 07: Oração na Casa de Deus

Primários

Lição 07: Oração na Casa de Deus
Texto Bíblico: Atos 12.1-38
Objetivo: Enfatizar que a igreja é o lugar onde podemos orar juntos por necessidades individuais e coletivas.
Versículo para Memorizar “-Agora, Ó meu deus, ouve as orações que forem feitas neste lugar.”   2 Crônicas 6.40
Frase do  dia:   A IGREJA É LUGAR DE ORAR A   DEUS.


Lição 07 - Oração na Casa de Deus
Texto Bíblico: Atos 12.1-18


CRESCENDO NA GRAÇA E NO CONHECIMENTO

“2. Atos. Se Lucas é o evangelho da oração, o livro que o acompanha, Atos, mostra a igreja primitiva como uma comunidade de oração. Os discípulos oram enquanto esperam pelo Espírito Santo (Lc 24.53; At 1.14) e depois de sua vinda as principais práticas da jovem igreja podem ser resumidas entre ‘ensinar’, ‘dividir os bens’, distribuir o pão’ e ‘orar’ (2.42-45). Lucas descreve essa vida inicial de oração como perseverante e dotada de uma concordância (por exemplo, 1.14; 2.42,46). Como no evangelho de Lucas, a oração acompanha as crises de decisão (At 1.24), de libertação (4.24 ss.; 12.5; 16.25) ou de confiança (7.60). Ela também está permanentemente associada à prática da imposição de mãos, e à vinda do Espírito Santo sobre indivíduos ou grupos (6.6; 8.14-17).” (Dicionário Wycliffe. CPAD. p.1421).


SAIBA MAIS...

“O que é uma oração? Não é a expressão das palavras. Apenas é o veículo da oração e a atitude do espírito de uma pessoa. Os elementos de oração devem estar diluídos na nossa vida cotidiana.
A oração pode ser uma conscientização constante da presença de Deus e do nosso contato com Ele. Em uma comunhão assim, quando o Espírito de Deus e o nosso se aproximam, freqüentemente não há necessidade de palavras. Silenciosamente, nossos corações podem conservar-se perfumados coma percepção da presença de Deus e ensolarados com a luz do seu rosto.
Deve haver um contínuo desejo pela presença de Deus. Todas as nossas experiências diárias da graça de Deus, combinadas com a nossa total comunhão com Ele nos revelam sua beleza, despertando o desejo de termos mais da presença Dele.
A nossa contínua submissão à vontade de Deus é também essencial para toda a oração. Muitas pessoas acham que orar é levar os nossos desejos a Deus, e que uma oração atendida é o mesmo que Deus nos dar aquilo que desejamos. A expressão mais profunda de uma oração verdadeira não é ‘Faça isso, porque eu quero, ó Senhor’, mas sim ‘Eu faço isso porque tu desejas, ó Senhor’.
Assim, durante toda a nossa vida diária deve existir a melodia de uma oração contínua sob as nossas variadas ocupações, como aquelas profundas e longas notas de baixo que sustentam e dignificam a melodia mais leve que sobe, desce, e se modifica acima delas. Assim, nossas vidas se entrelaçarão numa unidade harmoniosa, baseada numa comunhão, submissão e desejo contínuo a Ele.
Pai Celestial, oh, como eu desejo estar constante comunhão contigo. Durante o meu dia, ajude-me a ter em mente que tu estás sempre comigo, para que eu cresça no meu relacionamento contigo. Então, enquanto eu interajo com meus alunos e colegas, que o doce aroma da tua presença possa levá-los a ti. Amém.” (Graça diária para professores. CPAD.p-7).

ATIVIDADES

Aproveite o tema de hoje para realizar um amigo oculto de oração. Solicite que cada aluno escreva em uma tira de papel o seu nome e um pedido de oração e, em seguida, dobre-a e coloque-a numa caixa separada por você. Depois, cada criança deve escolher uma e ler nome e o pedido em segredo. Após todos estarem com seus “amigos ocultos”, inicie a atividade. Cada um deve dizer uma característica do seu amigo, a fim de que os outros descubram de quem se trata. Por fim, forme uma grande roda para que cada aluno possa interceder por seu amigo.

Jardim de infância Lição 07: A Palavra de Deus é Arma Poderosa!

Jardim de infância
Lição 07: A Palavra de Deus é Arma Poderosa!
Texto Bíblico: Mateus 4:1-11.
Objetivo da liçaõ: Que a criança aprenda que precisamos guardar a Palavra de Deus no Coração.
Versículo visualizado: “Guardo a tua palavra no meu coração para não pecar...” Salmos 119.11
Palavra do dia: ESPADA
Lembrancinha

Lição 07 - A Palavra de Deus é uma arma poderosa

Texto Bíblico: Mateus 4.1-11

I - De professor para professor

Prezado professor, neste domingo o objetivo da lição é fazer com que as crianças aprendam que precisamos guardar a Palavra de Deus no nosso coração.

• Faça uma recapitulação da aula anterior. Pergunte qual foi a palavra-chave estudada e qual o versículo aprendido.

• A palavra-chave da aula de hoje é “ESPADA”. Então, durante o decorrer da aula repita a frase: “A Palavra de Deus é a nossa espada.”

II - Para refletir

• “Jesus foi tentado pelo Diabo, mas nunca pecou! Embora possamos nos sentir impuros depois de sermos tentados, devemos nos lembrar que a tentação em si não é pecado. Pecamos quando cedemos e desobedecemos a Deus. Lembrarmo-nos disto nos ajudará a desviar a tentação.

Jesus não foi tentado dentro do Templo ou em seu batismo, mas no deserto, onde se sentia cansado, só e faminto, quando estava mais vulnerável. O Diabo frequentemente nos tenta nestas condições, quando estamos sob tensão física ou emocional (solitários, cansados, ponderando grandes decisões ou em dúvida). Mas ele também procura tentar-nos em nosso pontos fortes, naqueles em que estamos mais propensos ao orgulho. Devemos guardar-nos contra os ataques do inimigo em todos os momentos”

Extraído da: Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal,  CPAD

• Professor, “procure durante a semana, estudar as formas de despertar o interesse da turma para a história que será estudada. Isso pode ser feito através de perguntas, de um cartaz, ou de dinâmicas de grupo inseridas no corpo da lição”

Extraído da Revista Primários/Mestre 5, CPAD


Regras Práticas para os Professores

 “A inclusão inicia-se com a pressuposição de que todos os alunos podem fazer o mesmo trabalho e, então, adaptar para os alunos que precisam disso sem pôr a ênfase sobre o ‘incomum’, ou debilidade, mas sim tentado ‘ajustar’ o trabalho à necessidade da criança. A suposição é que a estrutura educacional precisa mudar e se adaptar, em vez de tentar forçar o aluno a se ajustar a um conceito inflexível de ‘normal’.

Isso é fácil? Os esforços que realmente valem a pena raramente são fáceis. Contudo, é um esforço com muito potencial para a criança especial e também para as crianças com desenvolvimento típico da idade. Enumeramos, abaixo, alguns dos benefícios e das promessas da abordagem inclusiva:

1.      Fornecer um ambiente educacional ‘inclusivo’ em que todas as crianças prosperam.

2.      Capacitar crianças especiais a desenvolver autonomia, independência, habilidade, confiança e orgulho.

3.      Fornecer a todas as crianças informações precisa e apropriada ao desenvolvimento sobre a própria necessidade especial e a das outras e promover a compreensão de que a pessoa é diferente em um aspecto, mas semelhante às outras em muitos outros aspectos.

4.      Capacitar todas as crianças a desenvolver a capacidade de interagir de forma esclarecida, confortadora e justa com pessoas das diversas necessidades especiais.

5.      Ensinar crianças especiais a lidar com situações em que são chamadas de formais inconvenientes, com atitudes estereotipadas e com barreiras físicas e a opor-se a essas coisas.

6.      Ensinar crianças sem dificuldades especiais a como resistir ao estereótipo, ao chamar de formas desairosas e às barreiras físicas dirigidas às pessoas especiais e como opor-se a tudo isso (Derman-Sparks, 1989, p. 40).

Essa lista demonstra que a inclusão pode ser uma situação benéfica para todos. Os benefícios não são apenas para a criança especial. A criança com desenvolvimento típico da idade também recebe oportunidades maravilhosas de crescimento — oportunidades de se tornar um individuo receptivo e acolhedor que deixa de lado a aparência exterior e enxerga o interior da pessoa. Essa é uma perspectiva consistente com o coração de Deus!”

Extraído do livro: Deixe Vir a Mim Todas as Crianças, CPAD


• Atividade

Realize as atividades sugeridas na revista do Mestre, página 27.

Caso sobre algum tempo para mais uma atividade, sugira que as crianças encenem a história bíblica.  


MATERNAL - Lição 07: Orar para ter certeza!

MATERNAL

Lição 07: Orar para ter certeza!
Texto Bíblico: Juízes 6:1-40
Objetivo: Que a criança aprenda que devemos orar quando estamos duvidosos.
Versículo para Memorizar: “No seu templo ele ouviu a minha voz...” 2 Samuel 22:7
Palavra-chave: CERTEZA
Lembrancinha:


Lição 07 - Orar para ter certeza

Texto Bíblico:  Juízes 6.1-40

I - De professor para professor

· Prezado professor, neste domingo, o objetivo da lição é ensinar a criança que devemos orar quando estamos duvidosos.

· A palavra-chave deste domingo é “Certeza”.

II - Para refletir

Gideão sabia qual era a sua missão, mas disse: “Senhor, eu quero que tu me dê um sinal”. Ele estendeu uma porção de lã ao ar livre. Na primeira noite disse: Se a lã ficar molhada e o capim, seco, então aceitarei que é uma confirmação da chamada de Deus. E foi exatamente o que Deus fez. Gideão poderia ter ficado satisfeito, mas ele disse: ”Senhor, sinto muito, mas quero que tu me perdoes antecipadamente, pois eu vou pedir mais um sinal. Vou colocar a lã fora mais uma vez, hoje, à noite; se acontecer justamente o contrário, então terei fé suficiente.”

Muitos dizem que ele não era um homem de grande fé, porque ele deveria ter obedecido da primeira vez que Deus lhe ordenara o que fazer. Mas ele pediu um sinal extra; e quando o Senhor já tinha dado uma confirmação, exigiu outra: “Senhor, eu quero mais uma confirmação, exigiu outra: “Senhor, eu quero mais uma confirmação.” - Teria sido um sinal de incredulidade?

O que você acha? Por outro lado, acho que é preciso ter muita fé para crer que Deus vai dar uma confirmação. Por isso digo que pedir uma confirmação é um sinal de fé. Naturalmente, não teremos nunca excesso de fé. Sempre pedimos uma ou duas confirmações em cada decisão que vamos tomar. Com Gideão não foi diferente.

Texto adaptado do livro: Edificando o Mundo em Ruínas, CPAD

III - Regras Práticas para os Professores

As crianças precisam saber que a Palavra de Deus é verdadeira, não é simplesmente um livro de histórias como os outros. Os eventos descritos na Bíblia realmente aconteceram – exceto as parábolas – e as pessoas da Bíblia são reais.

Texto extraído do Livro: Ensine Sobre Deus Às Crianças, CPAD

IV - Boa ideia

Você vai precisar de dois novelos de lã, água e uma tigela.

Umedeça a lã e coloque-a no chão, peça para as crianças recontarem essa parte da história.

Depois coloque um pouco de água no chão e o novelo seco no meio, peça mais uma vez as crianças que recontem a história de Gideão. 

07/08/2014

Pré-Adolescentes - Lição 06: Cuidando do Tempo

Pré-Adolescentes
Lição 06: Cuidando do Tempo
Texto bíblico: Eclesiastes 3.1-8
Objetivos:
Compreender a importância de cuidar do tempo;
Valorizar as atividades que favorecem o crescimento do reino de Deus
Versículo visualizado:"É Ele quem faz mudar os tempos e as estações.” Daniel 2.21a
Palavra do dia: PONTUALIDADE

Lição 06 - Cuidando do tempo

Texto Bíblico: Eclesiastes 3.1-8 

Quando percebemos que o tempo está ficando curto, para desenvolvermos as nossas atividades diárias, a primeira coisa que fazemos é sacrificar o nosso tempo com Deus. Lemos a Bíblia mas não meditamos, fazemos orações rápidas, que mais se parece um monólogo, pois não temos tempo para diálogos.

Nós colocamos a disposição do trabalho, da família, dos amigos a qualquer hora. Mas dedicar alguns minutos do nosso dia a Deus é algo muito difícil e raro. Acreditamos que Deus entende a nossa falta do tempo.

Quando chegamos ao termino do dia, percebemos que as horas se passaram e muito do que planejamos não foi realizado.

Mas se nós colocarmos o nosso tempo sob o controle do Senhor, Ele nos ensinará a administrá-lo perfeitamente.

Quando dedicamos algum tempo a Deus, todos os nossos outros afazeres que consomem o nosso tempo serão colocados em sua perspectiva correta. Deus dará o que precisamos para terminar cada tarefa.

Professor, converse com seus alunos acerca da importância de pedir ao Senhor que os ensine a serem excelentes administradores do tempo. Você pode confeccionar uma agenda e juntos com os alunos assimilarem as atividades cotidianas com a devocional.


Juniores Lição 06: Anjos x demônios.

Juniores
Lição 06: Anjos x demônios.
Texto Bíblico: Efésios 6:10-18.
Objetivo: Explicar o que a Bíblia afirma a respeito da existência e das funções dos anjos e demônios.
Versículo para Memorizar:”Então, o que são os anjos? Todos eles são espíritos que servem a Deus, aos quais ele envia para ajudar os que vão receber a salvação. Hebreus 1:14


Lição 06 - Anjos e demônios

Texto Bíblico: Efésios 6.10-18

CRESCENDO NA GRAÇA E NO CONHECIMENTO

“À medida que examinamos as páginas das Escrituras, descobrimos numerosos fatos fascinantes sobre a natureza dos anjos:

Os anjos são seres pessoais. Os anjos são pessoas (pessoas espirituais) com todos os atributos da personalidade:

· Inteligência: os anjos têm grande sabedoria (2 Sm 14.20) e grande discernimento (2 Sm 14.17) e utilizam sua mente para observar as questões que desejam saber (1 Pe 1.12).

· Emoções: os anjos se reúnem nos céus em assembléias jubilantes na presença de Deus (Hb 12.22). Eles rejubilaram no momento da criação (Jó 38.7) e se alegram nos céus sempre que um pecador se arrepende (Lc 15.7).

· Vontade: os anjos dão evidência de ter uma vontade moral em muitas decisões morais que tomam. Por exemplo, um anjo exercitou sua vontade moral ao proibir que João o adorasse, reconhecendo que apenas Deus merece adoração (Ap 22.8,9).

Os anjos além de ter os atributos da personalidade, envolvem-se em ações pessoais. Por exemplo, os anjos amam e se alegram (Lc 15.10), eles desejam (1 Pe 1.12), contendem (Jd 9; Ap 12.7), adoram (Hb 1.6), conversam (Lc 1.13), vêm do céu e voltam para lá (Lc 9.26). (O cristianismo segundo a Bíblia. CPAD. p.203). 

Primários Lição 06: Gratidão na casa de Deus

Primários
Lição 06: Gratidão na casa de Deus
Texto Bíblico: 1 Samuel 1.1-28; 2.1,2,11
Objetivo: Assegurar aos alunos que a igreja é também um lugar de agradecermos a Deus pelas inúmeras bençõas que Ele tem nos concedido.
Versículo para Memorizar:” “Louvem a Deus e sejam agradecidos a Ele.” Salmos 100.4
Frase do dia:   A IGREJA É LUGAR DE AGRADECER A DEUS


Lição 06 - Gratidão na Casa de Deus
Texto Bíblico: 1 Samuel 1.1-28; 2.1,2,11




“Ana lamentava muito o fato de não poder ter filhos, pois isto era motivo de vergonha para as mulheres hebréias. Seu marido tentava consolá-la. Uma parte excelente (5) seria uma ‘porção dobrada’ (ou ’porção dupla’ na ARA). [...] Em sua aflição, Ana orou na porta do Tabernáculo. Templo (9) – hebraico hekal, também pode significar ‘palácio’ ou ‘majestosa construção’. O templo ainda não fora construído àquela época.

[...] Ana continuou a orar (12), não satisfeita com apenas um pedido – a importância da persistência foi claramente ensinada por Jesus (Lc 18.1-8).[...]

A oração é notavelmente definida como o derramar da minha alma perante o Senhor (15). Ana não era filha de Belial (16), mas sim uma mulher em profundo sofrimento e que carregava um grande fardo, pelo que pediu a ajuda de Deus. [...]

Eli rapidamente corrigiu seu erro e uniu-se a Ana em seu pedido para que Deus atendesse seu desejo. Ana ilustra a natureza da fé conforme ensinada no Novo Testamento. Convencida de que o Senhor ouvira sua oração, ela não estava mais triste, muito embora não houvesse um sinal verdadeiro de que seu pedido fora atendido. [...]

Os versículos 1-18 ilustram “Os ingredientes para uma vida maravilhosa.” Eles devem ser dados em números de três: (1) Um lar piedoso (vv. 1-8); (2) Uma mãe que ora (vv.9-11) e (3) um pastor fiel (vv.12-18).

[...] d. O cântico de louvor de Ana (2.1-10). Então, orou Ana (1) na forma de um salmo de ação de graças. Esta é uma poesia de grande beleza e profundidade, e é o modelo do “Magnificat” de Maria no Novo Testamento (Lc 1.46-55). O meu poder (1) – melhor na ARA, ‘minha força’. A minha boca se dilatou – anteriormente sem palavras por causa das provocações de sua rival, a boca de Ana agora se abre em louvor a Deus. na tua salvação – do hebraico yeshuah, ‘segurança, bem-estar, salvação’ – é usada de muitas maneiras por toda a Bíblia: em vitória política ou militar, alívio do sofrimento ou enfermidade, mas principalmente na libertação do pecado.

Rocha nenhuma há como o nosso Deus (2) – Deus é freqüentemente descrito como uma rocha (e.g., 2 Sm 22.2,3; Sl 18.2; 28.1; 62.2,6; etc.), tanto no sentido de refúgio como de alicerce. Não multipliqueis palavras (3) – “não fale mais”, dirigido à adversária de Ana. Até a estéril teve sete filhos (5) – pode ser a profecia da família subseqüente de Ana, apesar de a quantidade de seus filhos parecer ser seis (21). O número poderia ser usado em seu significado secundário ou relacionado à perfeição ou inteireza.

E dará força ao seu rei, e exaltará o poder do seu ungido (10). Apesar de Israel não ter tido um rei durante muitos anos após estas palavras terem sido ditas, a idéia era familiar, pois as pessoas quiseram que Gideão se tornasse um monarca (Jz 8.22). Sem dúvida, mesmo naquela época, a nação sentia que precisava de um governo forte e centralizado, o que raramente foi alcançado com os juízes. Seu ungido (mashiac, de onde vem a palavra ‘Messias’) é usado pela primeira vez aqui. Isto se tornou tanto um título como um nome para Jesus (‘Cristo’ é o termo grego para o hebraico mashiach). A expectativa da vinda do Messias cresceu muito durante a era profética posterior em Israel e é a base do cumprimento neotestamentário em Cristo, tanto em sua primeira vinda como em seu retorno.

” (Comentário Bíblico Beacon. CPAD. p.181-182).


ATIVIDADES

Convide as crianças a se tornarem repórteres por um dia. O tema da reportagem será “Agradeço a Deus por...”. Aproveitando a temática, as crianças escolherão alguns irmãos da igreja para dizerem um motivo de gratidão a Deus. De acordo com o perfil de sua classe, veja a melhor maneira de realizar a atividade (individual, duplas, etc.). Não esqueça de reservar um período para que cada um conte como foi essa experiência.

Jardim de infância Lição 6: Uma família que ama a Palavra de Deus

Jardim de infância
Lição 6: Uma família que ama a Palavra de  Deus
Texto Bíblico:  2 Timóteo 1.3-5:3.14,15
Objetivo: Que a criança aprenda que todos na família devem amar e ebodecer a  Palavra de Deus.
Versículo visualizado: “ Felizes os que ouvem a mensagem de Deus e obedecem a ela.”  Lucas 11.28
Palavra do dia: FAMÌLIA
Lembrancinhas:

Lição 06 - Uma família que amava a Palavra de Deus

Texto Bíblico: 2 Timóteo 1.3-5;3.14,15

I - De professor para professor

Prezado professor, neste domingo as crianças aprenderão que todos da família devem amar e obedecer a Palavra do Papai do céu.

A palavra-chave que trabalharemos neste domingo é “Família”. No decorrer da aula repita a frase: “Minha família ama a Palavra de Deus”.

II - Para refletir

“Quanto mais você estuda a Palavra de Deus, mais ela satura a sua mente e a sua vida. Diz-se que alguém perguntou a uma violinista do Carnegie Hall, em Nova York, como ela tinha conseguido ser tão talentosa. Ela disse que foi por ‘negligência planejada’. Ela renunciou tudo o que não estivesse relacionado ao seu objetivo.

Algumas coisas simples menos importantes na sua vida poderiam suportar um pouco de negligência  planejada para que você pudesse se dedicar ao estudo da Palavra de Deus. Você sabe o que aconteceria? Quanto mais você estudasse a Palavra de Deus, mas a sua mente ficaria saturada com ela. Então, pensar em Cristo não representaria nenhum problema para você. Você  não conseguiria parar de pensar nEle.

Estar cheio do Espírito Santo é viver uma visa consciente em relação a Cristo, e não existe atalho para isso. Você  não pode simplesmente  tornar dedicado a viver uma visa consciente em relação a Cristo. A única maneira de ficar saturado com pensamentos sobre Cristo é saturar-se com o Livro que fala dEle. E esta é a vontade de Deus, que você não somente seja salvo, mas também que você seja cheio do Espírito”.

Texto extraído do livro: Graça Diária para Professores. CPAD. p.150

Regras Práticas para os Professores

“As crianças precisam ser cuidadosas e compassivas em relação aos outros. Mostre às crianças como reagir de forma compassiva a alguém – irmãos ou amigos – que está ferido ou aflito. A primeira questão levantada quando alguém se fere durante uma brincadeira é achar de quem é a culpa. Ajude as crianças a se preocuparem primeiro com o machucado ou aflição da pessoa. Quando você insiste que primeiro se deve lidar com os sentimentos e com pedidos de desculpa, a culpa deixa de ser um problema”.

Texto extraído do livro: Ensine Sobre Deus Às Crianças. P.84, CPAD).

IV – Boa ideia

Você vai precisar de tiras de papel, canetinhas hidrográficas e imagens da Bíblia.

Professor escreva nas tiras a seguinte frase: “Minha família ama a Palavra de Deus! Cole a gravura da Bíblia. Depois solicite às crianças que desenhem nas tiras os rostinhos dos familiares.

MATERNAL Lição 06- A oração que fez água jorrar da rocha

MATERNAL
Lição 06- A oração que fez água jorrar da rocha
Texto Bíblico: Êxodo 17.1-7
Objetivo: Que a criança aprenda que a oração deve ser a nossa primeira atitude em qualquer situação
 Versículo para Memorizar: “...Eu confio em ti, ò Deus Todo-Poderoso.” Salmos 56.3
Palavra-chave: ACREDITAR
Lembrancinha
Lição 06 - A oração que fez água jorrar da pedra

Texto Bíblico: Êxodo 17.1-7

I - De professor para professor

· Prezado professor, neste domingo, o objetivo da lição é ensinar a criança que em qualquer situação a nossa primeira atitude é orar.

· A palavra-chave deste domingo é “Acreditar”. No decorrer da aula diga: “Eu acredito no Papai do céu”.

II - Para refletir

Se clamarmos a Deus para que nos liberte e nos dê vitória sob o pecado, Ele não deixará de nos ouvir. Não importa o quão imoral eu fui, não importa as minhas ações no passado, ou quanto desobediente fui. Se eu realmente quiser voltar a Deus, Ele me aceitará se eu tiver uma mente disposta e coração arrependido. Deus ouvirá a minha oração e a responderá. É claro que há falsos clamores e falso arrependimento. As mães entendem muito bem isso. Elas sabem quando suas crianças estão chorando de verdade ou se é manha. Quando a criança der, de verdade, um choro de angústia, a mãe deixa tudo que está fazendo e corre para ajudar seu filho. Da mesma forma, nunca vi Deus desapontar qualquer um que clame pela salvação de sua alma ou que busque uma vida consagrada a Ele

Extraído do Livro: O Melhor de D.L.Moody, p.12. CPAD

III - Regras Práticas para os Professores

A Bíblia encoraja a memorização de versículos. Para que a Palavra de Deus escondida na mente e no coração das crianças, possa guiá-las: “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e luz, para o meu caminho” (Sl 119.105). Os elogios e os prêmios ajudam a motivar a memorização de versículos. Mas o ensino das Sagradas Escrituras deve ir além da memorização. As crianças devem entender e compreender os versículos.

Extraído do Livro: Ensine Sobre Deus Às Crianças, CPAD

28/07/2014

Pré-Adolescentes Lição 05: Vivendo em segurança

Pré-Adolescentes
Lição 05: Vivendo em segurança
Texto Bíblico: 2 Crônicas 32:7-10,20,22.
Objetivos:
 Compreender que somente no Senhor ele encontra segurança;
Valorizar toda a proteção oferecida por Deus.
Versículo visualizado: “Quando me deito, durmo em paz, pois ´so tu, ó Senhor, me fazes viver em segurança.”   Salmos 4.8
Palavra do dia: SEGURANÇA




Lição 05 - Vivendo em segurança

Texto Bíblico: 1 Reis 3.5,7,9-13

“Um piloto de avião bastante experiente achou-se de repente em meio a uma terrível tempestade. Quando as nuvens se fecharam e visibilidade foi reduzida a menos de seis metros, ele rapidamente perdeu o senso de direção. Sem saber se ia para a esquerda ou para a direita, para cima, ou para baixo, o piloto decidiu confiar por completo em seus instrumentos de voo. Às vezes, seus instintos lhe diziam que estava indo na direção errada, mas ele ignorou tais sensações e continuou a confiar em seus instrumentos. Quando chegou a exatamente trinta metros do chão, ele saiu das nuvens e posou com o avião com sucesso.

Quando as nuvens das tempestades se formam em sua vida, você pode perder a perspectiva e não saber que direção tomar. Surgem situações que nunca enfrentou antes, com as quais você não possui nenhuma experiência, e por isso não sabe lidar com elas. Durante estes momentos, você pode ser tentado a confiar em seus próprios instintos e “dar asas a si mesmo”. No entanto, se fizer isto, você estará fazendo um voo cego.

Da mesma forma que o piloto confiou em seus instrumentos para guiá-lo através da tempestade, você precisa confiar no Senhor para ajudá-lo a atravessar os tempos de incerteza em sua vida. Somente Deus sabe exatamente onde você está, aonde precisa ir, e que rota precisa tomar. No entanto, Ele não pode guiá-lo se você obstinadamente insistir em seguir o seu sistema de direção. Você tem deixar os controles, e confiar completamente nEle.

Quando você confiar em Deus, Ele o guiará pela tempestade, trazendo-o são e salvo, e o abençoará com a sua graça em todo o processo. Ele edificará a sua fé e o fortalecerá, para você saber lidar com a próxima  tempestade que está bem além do horizonte”.

Texto extraído do livro: Graça Diária, p.251, CPAD



Juniores Lição 05 - O Espírito Santo é o Consolador

Juniores
Lição 05 -  O Espírito Santo é o Consolador
Texto Bíblico: João 14.15-26; 16.5-15
Objetivos:Explicar quem é o Espírito Santo e quais são as suas funções.
 Versículo-chave : “Mas o Espírito de Deus, com gemidos que não podem ser explicados por palavras, pede a Deus em nosso favor.” Romanos 8.26




Lição 05 - O Espírito Santos é Consolador


Texto Bíblico: João 14.15-26; 16.5-15

“Há a controvérsia a respeito da palavra Consolador, que também é traduzida por Advogado, quando se aplica a Cristo glorificado (1 João 2.1).

A palavra grega em epígrafe, parakletos, é derivada de para, “para o lado de”, e Kaleio, “chamar ou convocar”. É passiva na sua forma e seu antigo significado (antes do Novo Testamento) era “alguém chamado para ajudar, socorrer, ou aconselhar alguém”.

No passado, a maioria dos teólogos católicos entendia que esta palavra significava um advogado ou consultor jurídico da defesa (que oferece mais aconselhamento do que defesa no fórum). Alguns ainda hoje insistem que o sentido de advogado de defesa é o único apropriado, especialmente em João 15.26 e 1 João 2.1.

Na realidade, um paracleto no seu significado original não era um advogado, nem qualquer outro tipo de profissional, mas, sim, um amigo que comparecia em favor de alguém ou que agia como mediador, intercessor, conselheiro ou ajudador. Esse fato foi reconhecido pelos pais da Igreja Primitiva, os quais perceberam que o uso dessa palavra requeria um significado ativo como Ajudador ou Consolador.

Uma ilustração bíblica acha-se em Atos 9.31, onde lemos que “as igrejas... era edificadas, e se multiplicavam, andando no temor do Senhor e consolação do Espírito Santo”. O contexto demonstra que o Espírito Santo realizou essa multiplicação mediante a unção da Palavra e do ato de vivificar, fortalecer, santificar, encorajar e dar ousadia aos crentes. No Consolador vemos, portanto, a combinação das idéias de um Ensinador e Ajudador que transmite a verdade de Cristo e que outorga poder para a disseminação do Evangelho e o crescimento da Igreja.” (O que a Bíblia diz sobre o Espírito Santo. CPAD. p.134).

Saiba mais...

“A criança chamada ‘difícil’, voluntariosa, hiperativa, problemática

Algumas das causas desses problemas alistamos a seguir. Omissão dos pais ou responsáveis pela criança, na sua idade de formação básica da personalidade (4/5 anos de idade). Também, omissão pelos pais, da disciplina preventiva e cristã, bíblica e amorosa no lar. Fatores hereditários, congênitos; herança genética da criança, não identificados e não tratados. Instintivismo e energia naturais da criança, não trabalhado mediante educação, terapia, amor e disciplina. Ausência constante dos pais; principalmente da mãe. O pai e a mãe estão presentes com a criança, mas sem qualquer autoridade sobre a mesma. Criança que viveu em creches na primeira e na segunda infâncias (havendo exceções aqui, é evidente).

Outras causas são, criança que desde o seu nascimento desconhece limites de tudo, por omissão dos pais. Ler aqui: Provérbios 29.15; 1 Samuel 3.13; 1 Reis 1.6. Estamos falando aqui de limites justos, apropriados, com objetivos definifos e monitorados.

A causa também pode ser o cumprimento de leis bíblicas da “semeadura e colheita” sobre os pais (Gálatas 6.7; Êxodo 34.7; Salmo 99.8; Números 14.20-34). Isto é, quebra das leis bíblicas pelos pais, na sua vida pregressa.” (Ensinador Cristão. CPAD. nº 7.p.20).

Boa ideia!

Aproveitando o tema de hoje, faça uma ampla pesquisa a respeito da História do Movimento Pentecostal Brasileiro. Leve para a sala de aula informações e figuras, a fim de que junto com as crianças você possa confeccionar um mural temático.

Primários Lição 05: A bíblia e a Casa de Deus

Primários
Lição 05: A bíblia e a Casa de Deus
Texto bíblico: Neemias 8:1-18
Objetivo: Explicar a importância de estudar e ensinar a Bíblia na Igreja.
Versículo visualizado: “Quem guarda a lei de Deus é feliz.”   Provérbios 29.18
Frase do dia: NA IGREJA LEMOS A BÍBLIA


Lembrancinhas:


Lição 05 - A Bíblia na Casa de Deus
Texto Bíblico: Neemias 8.1-18

“A maneira pela qual os levitas ajudaram Esdras não está muito clara. No versículo 8 ficamos cientes de que eles leram o livro, na Lei de Deus, e declarando e explicando o sentido, faziam com que, lendo, se entendesse. Parece que a leitura e a interpretação foram feitas por muitos levitas; talvez, Esdras tenha lido em hebraico e os levitas sido incumbidos de traduzir ou parafrasear em caldeu ou aramaico, língua que havia se tornado popular durante o exílio. Com algumas modificações, essa língua continuou a ser falada até os dias de Jesus. Em todo caso, era necessário fazer com que o significado fosse claro, e isso foi conseguido, pois o texto informa que todas as pessoas entenderam.

O primeiro resultado mencionado a respeito dessa leitura é que ela causou muita tristeza, pois tomaram consciência de que a lei de Deus havia sido infringida. Porque todo o povo chorava, ouvindo as palavras da Lei. Mas essa tristeza não durou muito tempo: “Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados” (Mt 5.4). Quando Neemias e Esdras viram que o povo estava arrependido e chorava, eles provavelmente disseram: Não vos entristeçais, mas alegrai-vos porque Deus foi bondoso e perdoou o vosso pecado. Porque esse dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força (10).

Isso parece ser uma simplificação do processo pelo qual uma alma oprimida pelo pecado passa a entender a disposição divina de perdoar e, de repente, troca a sua tristeza pela alegria. Embora isso não demande um longo período de tempo basta, entretanto, que exista uma completa sinceridade. Parece que foi isso o que aconteceu com aqueles que ouviram a leitura da lei feita por Esdras. A relação entre essa experiência e a posterior busca a Deus, descrita no restante deste capítulo, e também nos dois capítulos seguintes, que estão muito ligados ao primeiro, também pode ser justamente questionada. Mas creio que a resposta reside no fato de que, além da experiência inicial do perdão, existe uma exigência subseqüente de obediência e de busca na alma que leva a um definitivo compromisso com a plenitude da vontade de Deus para a nossa vida. Isso é representado, pelo menos simbolicamente, através da comemoração da Festa dos Tabernáculos (8.13-18), do jejum, da confissão dos pecados e do reconhecimento da bondade de Deus no capítulo 9 e, finalmente, na celebração da aliança no capítulo 10.

(Comentário Bíblico Beacon. CPAD. p.525)

Boa ideia!

O MUSEU DA BÍBLIA

Faça uma gincana entre os alunos para conseguirem os exemplares de Bíblia mais antigos. Procure também papiros, ilustrações e informações, a fim de que você e sua turma montem um pequeno “Museu da Bíblia”. Reserve um espaço na igreja para realizar o evento e permita que as crianças sejam os anfitriões e expliquem ao público cada elemento.


Jardim de infância Lição 5: A Bíblia nos ensina adorar a Deus

Jardim de infância
Lição 5: A Bíblia nos ensina adorar a Deus
Texto Bíblico:  2 Crônicas 29.1-36; 30.1-27
Objetivo: Que a criança aprenda que a Palavra de Deus nos ensina a adorá-lo.
Versículo visualizado: “ Adorem ao Senhor com alegria...” Salmos 100.2
Palavra do dia: ADORAÇÃO



Lembrancinhas:

Lição 05 - A Bíblia nos ensina a adorar a Deus!


Texto Bíblico: 2 Crônicas 29.1-36; 30.1-27

I - De professor para professor

Prezado professor, neste domingo o objetivo da lição é fazer com que as crianças aprendam que a Palavra de Deus nos ensina a adorá-Lo.

• Faça uma recapitulação da aula anterior. Pergunte qual foi a palavra-chave estudada e qual o versículo aprendido.

• A palavra-chave da aula de hoje é “ADORAÇÃO”. Então, durante o decorrer da aula repita a frase: “Devemos adorar somente a Deus.”


Para refletir

• “Somente Deus é digno de ser adorado. Qual é a sua atitude em relação à adoração? Você vai à presença de Deus de boa vontade e alegremente ou está apenas seguindo um ritual, reluta para ir à igreja? Este salmo atesta que devemos lembrar-nos da bondade de Deus e da dependência que temos dEle, que devemos adorá-Lo com ações de graças e louvor!”

Extraído da: Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal,  CPAD

• Professor, “quando chega aos seis anos, a criança já adquiriu a consciência de seu eu. Ela é o centro do seu próprio universo, dá grande importância ao seu nome, e gosta de escrever seu nome em todas as coisas que faz. Interessa-se por sua infância, por histórias acerca dela própria, por tudo o que lhe diz respeito. Até porque se imagina como tendo vivido sempre no passado, e devendo viver para sempre no futuro.

Neste período acontece o fortalecimento da identidade pessoal, ao mesmo tempo em que valores, preferências e hábitos podem ser mudados pela facilidade com que a criança pode manipular transformar coisas, pessoas e situações. Ela sempre pensa que sabe tudo, e quer fazer tudo à sua maneira, usando ‘porque não quero’, ou ‘não faço’.

Pode manter relações difíceis com as figuras de autoridade (pais, professores, irmãos mais velhos, etc.), especialmente se estas não souberem convencê-la com sabedoria, paciência e bom humor”

Extraído do livro: Amor e Disciplina para Criar Filhos Felizes, Elaine Cruz, CPAD

Regras Práticas para os Professores

 “A imitação é a primeira forma de aprendizagem da criança. Quando ela dá seu primeiro sorriso, por volta das primeiras semanas, ela nada mais faz do que imitar o sorriso de alguém. Assim, ela sorri porque vê outro sorrir, porque imita, não porque é boazinha, ou tenha intenção de agradar à outra pessoa — a simpatia só vai acontecer por volta do terceiro ano de vida!

Do mesmo modo, ao longo do seu desenvolvimento, ela vai assimilando e aprendendo mais pelos exemplos das outras pessoas do que pelas palavras. Pais que querem ensinar seus filhos a comerem legumes, não podem comer só hambúrguer e batata frita. Pais que desejam filhos mansos e educados, precisam ser primeiro mansos e educados!”

Extraído do livro: Amor e Disciplina para Criar Filhos Felizes, Elaine Cruz, CPAD

• Atividade

Realize as atividades sugeridas na revista do Mestre, página 19.

Caso sobre algum tempo para mais uma atividade, sugira que as crianças encenem a história bíblica. 

MATERNAL Lição 05: A oração que tirou o amargo.

MATERNAL
Lição 05: A oração que tirou o amargo.
Texto bíblico: Êxodo 15:22-27
Objetivo: Ensinar que devemos orar em vez de reclamar.
Versículo para memorizar: “Façam tudo sem queixas...” Filipenses 2:14
Palavra chave: RECLAMAR


Lembrancinhas:

Lição 05 - A oração que tirou o amargo

Texto Bíblico: Êxodo 6.22-27

I - De professor para professor

Prezado professor, neste domingo o objetivo da lição é fazer com que as crianças aprendam que devemos orar em vez de reclamar.

• Faça uma recapitulação da aula anterior. Pergunte qual foi a palavra-chave estudada e qual o versículo aprendido.

• A palavra-chave da aula de hoje é “RECLAMAR”. Então, durante o decorrer da aula repita a frase: “Em vez de reclamar, precisamos orar”.

II - Para refletir

• “À medida que os israelitas se viam frente a perigos, escassez e dificuldades, eles se queixavam amargamente. Mas, como sempre, Deus atendeu às necessidades deles.

Circunstâncias difíceis muitas vezes nos levam ao estresse e, naturalmente, reclamamos. Na verdade os israelitas queriam uma vida mais fácil. Sob a pressão do momento, não conseguiam enxergar nem focar a causa de seu estresse (a falta de confiança em Deus).

Quando estiver sob pressão, procure resistir à vontade de reclamar. Em vez disso, lembre-se do poder e da sabedoria de Deus para ajudá-lo a enfrentar a causa de seu estresse ”.

Adaptado da: Bíblia do Estudante  Aplicação Pessoal, CPAD

• Professor, “o quarto ano de vida é importante para a construção do processo de abstração: a criança consegue se situar ao longo do tempo (passado, presente e futuro), vendo-se em um processo contínuo, além de ser capaz de abstrair situações, conceitos e ações. Assim, pode reagir às situações presentes, às imagens do passado e a planos e elaborações futuras” (Elaine Cruz).

III - Regras Práticas para os Professores

“A imitação é a primeira forma de aprendizagem da criança. Quando ela dá seu primeiro sorriso, por volta das primeiras semanas, ela nada mais faz do que imitar o sorriso de alguém. Assim, ela sorri porque vê outro sorrir, porque imita, não porque é boazinha, ou tenha intenção de agradar à outra pessoa — a simpatia só vai acontecer por volta do terceiro ano de vida!

Do mesmo modo, ao longo do seu desenvolvimento, ela vai assimilando e aprendendo mais pelos exemplos das outras pessoas do que pelas palavras. Pais que querem ensinar seus filhos a comerem legumes, não podem comer só hambúrguer e batata frita. Pais que desejam filhos mansos e educados, precisam ser primeiro mansos e educados!”.

Extraído do livro: Amor e Disciplina para Criar Filhos Felizes, Elaine Cruz, CPAD

• Atividade Manual

Realize as atividades sugeridas na revista do Mestre, página 18.


Poderá também gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...